sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Óleos Macerados - DIY



Um óleo de ervas infundido (também conhecido como óleo macerado) é um óleo carreador incutido com propriedades de ervas ou flores. Ao deixá-las infundir em um óleo por um determinado período de tempo, é possível extrair muitas das propriedades poderosas e curativas da planta em uma forma utilizável. É bastante suave e pode ser usado em bebês, crianças, idosos e pessoas de pele muito sensível.

Óleo macerado não é óleo essencial. Há alguns vídeos disponíveis na rede que ensinam a fazer óleo essencial (!), quando na verdade estão ensinando a fazer o óleo macerado. A diferença é que o óleo essencial  é uma mistura de substâncias voláteis extraídas diretamente de folhas, raízes, pétalas, caule, cascas de plantas através de diversos processos de destilação (principalmente à vapor) e são extremamente concentrados. O óleo macerado é feito a partir da infusão de ervas e /ou flores em um óleo vegetal (também conhecido como carreador) e podem ser facilmente produzidos em casa. Os óleos vegetais utilizados na infusão, são gorduras extraídas principalmente das sementes de plantas e frutas, possui consistência mais espessa que os óleos essenciais, não são voláteis e contam com alto poder de hidratação e nutrição.
Muitas ervas são adequadas para infusão, tanto aquelas com níveis elevados de óleos voláteis, quanto aquelas com componentes solúveis em gordura. Ervas como alecrim, lavanda, hortelã-pimenta, tanchagem, calêndula e confrei são excelentes para fazer óleos macerados.


Como fazer
A ideia básica é de que a planta seja imersa em um carreador de boa qualidade, tais como óleo de amêndoa, óleo de girassol, de jojoba, azeite, entre outros. Em seguida, a mistura deve ser deixada para aquecer naturalmente ao sol durante um período de 4 a 8 semanas ou, se preferir, pode aquecê-la em banho-maria por cerca de 2 horas. Este processo faz com que o óleo absorva as propriedades das plantas. Após este processo, deve-se filtrar o óleo para retirar os resíduos das plantas.



Estes óleos macerados podem ser utilizados em massagens, banhos e para fazer formulações para a pele: bálsamos, pomadas, cremes, tratamentos para os cabelos, sabonetes etc. Há inúmeras opções de ervas, flores e óleos para escolher. Sinta-se livre para fazer suas experiências!
O uso de ervas secas garante maior vida útil ao óleo macerado.
O uso de ervas frescas podem introduzir a umidade ao óleo, o que diminui sua vida útil. Portanto, se optar pelo uso de ervas frescas, certifique-se de que elas não estejam molhadas antes de acrescentá-las ao óleo.
Existem 3 receitas básicas de produzir um óleo macerado : método de infusão a frio, método de infusão ao sol e método de infusão a quente . Veja a seguir os detalhes de cada método.
Método de infusão a frio
1) Limpe e esterilize um recipiente de vidro (que deve estar completamente seco).
2) Escolha as ervas / flores de sua preferência (50 g de ervas secas ou 100 g de ervas frescas)
3) Escolha o óleo carreador de sua preferência. Coloque as ervas no vidro e despeje o óleo sobre elas, garantindo que fiquem completamente cobertas. Encha o frasco quase até a borda, deixando a menor quantidade de ar possível no recipiente (para evitar a oxidação).
4) Com cuidado, passe uma espátula em torno do frasco e em suas bordas,  para libertar quaisquer bolhas de ar.
5) Tampe e deixe em infusão por 8-10 semanas.
6) Passado esse período, coe o conteúdo, rotule o frasco com o nome da erva e a data de produção e  mantenha-o armazenado em local seco e fresco, longe da luz solar direta.


Método de infusão ao sol
Este é o método tradicional de infundir os óleos. O calor do sol vai aquecer delicadamente os óleos e auxiliar no processo de infusão.
1) Limpe e esterilize um recipiente de vidro (que deve estar completamente seco).
2) Escolha as ervas / flores de sua preferência (50 g de ervas secas ou 100g de ervas frescas)
3) Escolha o óleo carreador de sua preferência. Coloque as ervas no vidro e despeje o óleo sobre elas, garantindo que fiquem completamente cobertas. Encha o frasco quase até a borda, deixando a menor quantidade de ar possível no recipiente (para evitar a oxidação).
4) Com cuidado, passe uma espátula em torno do frasco e em suas bordas,  para libertar quaisquer bolhas de ar.
5) Tampe e deixe em infusão por 4 a 8 semanas em um balcão ou janela ensolarada e quente. Algumas pessoas optam por colocar o frasco em um saco de papel de modo a não danificar o óleo.
6) Passado esse período, coe o conteúdo, rotule o frasco com o nome da erva e a data de produção e  mantenha-o armazenado em local seco e fresco, longe da luz solar direta.

Método de infusão a quente
Esta é uma maneira muito mais rápida para infundir óleos - bom para os impacientes!
O ponto mais importante a lembrar ao criar óleos de ervas desta forma é  manter o calor o mais baixo possível, porque você não quer para 'cozinhar' as ervas. Tudo que você precisa fazer é colocar as ervas em fogo baixo ou banho-maria, cobrir com o óleo de sua escolha e aquecer suavemente as ervas sobre o fogo baixo por 2 a 6 horas. Desligue o fogo e deixe esfriar. Coe as ervas e seu óleo macerado já estará pronto para o uso.


Uma vez que os óleos são infundidos eles provavelmente terão nova cor e cheiro.
 
Os óleos macerados chegam a durar cerca de um ano, se armazenados adequadamente em local escuro e fresco. Alguns óleos são mais vulneráveis ao ranço do que outros. Há quem prefira adicionar o conteúdo de uma cápsula de vitamina E, para aumentar a vida útil do óleo.

Macerado de lavanda em óleo de coco (para pele e cabelos)
Esta é uma bela receita de um óleo macerado de coco e lavanda, que pode ser utilizado diretamente na pele ou para a preparação de produtos. O óleo de coco prensado a frio tornou-se imensamente popular nos últimos anos, por conta de suas propriedades e inúmeros benefícios para a saúde e a pele.
De acordo com a dermatologista Whitney P. Bowe, da Advanced Dermatology NY, "A combinação de antiinflamatória, antioxidante e as propriedades anti-bacterianas e hidratantes fazem dele um óleo único. O óleo de coco é composto principalmente de gorduras saturadas e contém ácidos graxos de cadeia média, que ajudam a reparar a barreira cutânea e manter a hidratação, além de reduzir processos inflamatórios."
Este óleo é indicado para a pele, mas também é excelente para utilização nos cabelos e no couro cabeludo. Devido ao seu baixo peso molecular e afinidade proteica, é capaz de penetrar profundamente na fibra do cabelo.
Como fazer: (método de infusão ao sol)
Derreta 100g de óleo de coco em banho-maria
Coloque em um frasco esterilizado e limpo, com 50g. de flores secas de lavanda
Despeje o óleo de coco previamente aquecido dentro do frasco, de modo que cubra as flores. Neste caso, certifique-se de deixar algum espaço no topo, pois as flores podem expandir.
Misture o óleo com uma espátula ou uma colher de madeira e tampe bem o frasco. Você também pode envolvê-lo uma sacola de papel, a fim de acelerar o processo de infusão.
Coloque a jarra em uma janela ensolarada para cerca de 4-8 semanas, agitando o óleo a cada dia.
Passado o período, coe o óleo e armazene-o em local seco e fresco.
Os óleos macerados também podem adquirir belas fragrâncias. Você pode adicionar, por exemplo, favas de baunilha picadas para esta infusão juntamente com a lavanda, o que irá lhe conferir um aroma “extra”, adocicado e irresistível!

Macerado de confrei (para dores musculares e nas articulações)
Você vai precisar de:
* um frasco limpo, esterilizado e seco;
* 50g de folhas secas de confrei; (ou 100g de folhas frescas)
* 100 ml de óleo vegetal de gérmen de trigo ou copaíba.
Você pode produzir este macerado com o método de sua preferência. Escolha o que lhe for mais conveniente e siga as instruções dadas anteriormente.



O confrei é rico em alantoina, um notável proliferante celular; estimulante da produção de células responsáveis pela formação de colágeno e tecido conjuntivo, cartilagens, ossos, acelerando a restauração de lesões. Excelente para ossos quebrados e fraturados. Outro componente, o ácido rosmarínico, diminui a inflamação. Reduz a dor e o inchaço da artrite, da gota, da síndrome do túnel carpo,da tendinite, de entorses e estiramentos. Na pele, promove a cicatrização de feridas e a regeneração de tecidos. Principal remédio natural para primeiros socorros, na cicatrização de feridas, cortes, contusões, escaldaduras, queimaduras de sol e úlceras, com mínima formação de cicatrizes.
 
Advertência: a erva não deve ser usada durante a gravidez.
O óleo vegetal de gérmen de trigo contém alto teor de vitamina E antioxidante. Contém também fitoesterois, vitamina A, complexo B e lecitina. Pode ser usado em massagem esportiva para trazer alívio a músculos cansados, melhora a circulação e, externamente, ajuda a aliviar os sintomas da dermatite.
Advertências: pode causar reações na pele em pessoas alérgicas a glúten, de modo que é melhor fazer um teste antes de usar. O uso regular deste óleo pode promover o crescimento de pelos.
O óleo vegetal de copaíba é rico em β-cariofileno. As moléculas de β-cariofileno atuam liberando β endorfina, que alivia a dor e age como antiinflamatório.  Os hidrocarbonetos da copaíba contém terpenos, incluindo o pineno, além de uma significativa quantidade de ácido caurenóico (tido como antiinflamatório, hipotensor, diurético, antimicrobiano, relaxante muscular e citotóxico). Muitas das propriedades da copaíba são atribuídas à ação do cariofileno e do ácido caurenóico. A copaíba é usada topicamente para aliviar a inflamação e ajudar a curar feridas, erupções cutâneas, dermatites, eczema e psoríase, além de ajudar a restaurar a pele danificada e curar pequenas cicatrizes.


Sugestões de ervas/propriedades

Analgésicas: alface-brava, camomila, erva-de-são-joão, flor-da-paixão, lúpulo, papoula da califórnia, solidéu, valeriana;

Anticatarrais: alho, alteia, eufrásia, eupatório, hidraste, hissopo, ínula, milefólio, pimenta-caiena, sabugueiro, salvia, tomilho tussilagem, uva-ursi, vara dourada, verbasco.

Antiespasmódicas: agripalma, anêmona, camomila, erva-de-são-cristóvão, solidéu, tília, tomilho, valeriana, verbena, viburno, viburno-bola-de-neve, visco-branco;

Antiinflamatórias: alcaçuz, calêndula, camomila, cúrcuma, erva-de-são-joão, olíbano, garra-do-diabo, gengibre, hamamélis.

Antimicrobianas: alcaçuz, alecrim, alho, calêndula, coentro, cravo-da-índia, equinácea, erva-de-são-joão, hortelã-pimenta, ínula, losna, mirra, pimenta-caiena, sálvia, tomilho uva-ursi.

Aromáticas: alecrim, angélica chinesa, betônica, camomila, canela, cardamomo, coentro endro, filipênula, forskohlii, funcho, gengibre, hissopo, hortelã-pimenta, salsão-selvagem, valeriana;

Diuréticas: alcachofra, astrágalo, buchu, cavalinha, folha e raiz de dente-de-leão, estigmas de milho, grama-de-ponta, raiz de cascalho, semente de salsão selvagem, shatavari, vara-dourada;

Emolientes: alcaçuz, alteia, borragem, confrei, feno-grego, ínula, morugem, olmo-americano, pétalas de rosa, tanchagem, tussilagem verbasco.

Estimulantes: alecrim, alho, angélica chinesa, árvore-de-cera, bodelha, calêndula, canela, crdamomo, dente-de-leão, freixo-espinhento, genciana, ginseng, hera-terrestre, hortelã-pimenta, losna, marroio-branco, milefólio, pimenta-caiena, raiz de cascalho, yam mexicano;

Hepáticas: agrimônia, agripalma, alcachofra, alecrim, aloe vera, aparine, azeda, dente-de-leão, esquisandra, freixo-espinhento, funcho, genciana, hidraste, hissopo, ínula, íris, kalmeg, losna, melissa, milefólio, salsão-selvagem, uva-espim, yam mexicano;

Laxantes: alcaçuz, resina de aloe vera, angélica chinesa, aparine, azeda, bardana, folha e raiz de dente-de-leão, íris, olmo-americano, sene, uva-espim;

Sedativas: agripalma, anêmona, bodelha, camomila, erva-de-são-cristóvão, erva-de-são-joão, flor-da-paixão, lúpulo, saw palmetto, solidéu, trevo-vermelho, valeriana, viburno, viburno-bola-de-neve, yam mexicano;

Tônicas: agripalma, alcaçuz, aveia-selvagem, bardana, buchu, calêndula, camomila, castanha-da-índia, confrei, framboeseira, genciana, ginseng, hidraste, hissopo, melissa, milefólio, mirra, pimenta-caiena, tomilho, trevo-vermelho, tussilagem, urtiga, verbena, visco-branco.

Fonte: http://aromasvitais.blogspot.com.br/2015/08/oleos-macerados-diy.html?view=flipcard

Referências:

McINTYRE, Anne. Guia completo de fitoterapia. São Paulo: Pensamento, 2011.
HOARE, Joanna. Guia completo de aromaterapia. São Paulo: Pensamento, 2010.
Creative Simple Life:
http://www.creativesimplelife.com

Plantas medicinais e fitoterapia:

School of Natural Skin Care:
http://www.schoolofnaturalskincare.com