sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Aromaterapia para idosos

ATENÇÃO: Antes de usar os óleos essenciais, verifique se existe alguma advertência ou contraindicação. Na presença de sintomas médicos graves, ou se você estiver em dúvida, consulte um profissional qualificado.

O número de idosos cresce gradativamente no mundo. Por aqui, eles representavam 6,4% da população em 1981; subiu para 8% em 1993 e chegou a 9,7% em 2004 (cerca de 17,6 milhões de pessoas), de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Hoje, a expectativa de vida no Brasil, para ambos os sexos, é de 71,7 anos. As mulheres vivem em média até os 75,5 anos, enquanto os homens até 67,9 anos. O fenômeno deve-se aos avanços da medicina e à nova visão da velhice. "A maioria das pessoas busca envelhecer de forma saudável, independente e com qualidade de vida", diz o geriatra Milton Luiz Gorzoni, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG).

A terceira idade é uma etapa da vida de um indivíduo. A época em que uma pessoa é considerada na fase da terceira idade varia conforme a cultura e desenvolvimento da sociedade em que vive. Em países classificados como em desenvolvimento, por exemplo, alguém é considerado de terceira idade a partir dos 60 anos. Para a geriatria, somente após alcançar 75 anos a pessoa é considerada de terceira idade.

Com a chegada da terceira idade, alguns problemas de saúde passam a ser mais frequentes, e outros, incomuns nas fases de vida anteriores, começam a aparecer.

A velhice pode trazer não apenas as limitações e fraquezas físicas que acompanham a idade, como a diminuição da visão, audição e mobilidade, mas pode significar também a necessidade de enfrentar a morte de pessoas muito chegadas, a perda da independência e, por vezes, a perda da acuidade mental. A aromaterapia pode ajudar a aliviar o desconforto físico e, por meio do uso de óleos essenciais cuidadosamente selecionados, pode acabar com a depressão, ansiedade e ainda ajuda a reduzir padrões de inquietação.


Osteoartrite e artrite reumatoide


A doença degenerativa das articulações pode se manifestar de várias maneiras. A osteoartrite, forma mais comum de artrite, tem como características a perda de cartilagem e aterações no osso subcondral. Ocorre mais frequentemente em conseqüência do desgaste. A artrite reumatóide afeta mais comumente os grandes nós das mãos e também pulsos, cotovelos, joelhos e pés. Existem indícios de que, em vez de estar relacionada com a pressão física, a artrite reumatóide é uma reação autoimune. Porém, o que desencadeia essa reação permanece amplamente desconhecido.

Óleos essenciais desintoxicantes como junípero, cipreste, funcho e limão são fundamentais para ajudar o corpo a eliminar toxinas. Podem ser usados em massagem e óleos de banho.

Óleos analgésicos e antinflamatórios como camomila, eucalipto, gengibre, lavanda, manjerona e alecrim podem também ser usados em banhos e massagens locais ou ainda em compressas locais.
Osteoporose


Osteoporose é o definhamento do osso. O tamanho do osso permanece o mesmo, mas a estrutura fica mais fraca e frágil porque o equilíbrio entre a decomposição do tecido velho e a produção do material de substituição é perturbado. A causa mais comum é o envelhecimento embora possa ser afetada pela alimentação pobre em cálcio, pela imobilização prolongada ou ainda por uma disfunção hormonal.
Não existe nenhum tratamento para reverter os efeitos da osteoporose, mas a utilização da aromaterapia pode ajudar a aliviar a dor. 
Óleos essenciais como capim-limão, citronela, cravo, eucalipto glóbulus, gengibre, hortelã-pimenta, lavanda, manjerona, tea tree, tomilho e vetiver atuam nas dores musculares e articulares e devem ser usados em banhos, massagens ou compressas quentes.
Problemas mentais


Embora seja uma época de aproveitar a serenidade e a experiência, a velhice também impõe suas formas de stress. Para muitos pode ser difícil suportar as preocupações financeiras, familiares, a perda de um ente querido e a solidão. Há ainda os idosos que moram em asilos e, muitas vezes, se sentem entediados, sofrem com a perda do espaço pessoal e até mesmo da própria identidade. A depressão e a demência costumam aparecer neste período da vida. Pode ser suave, moderada ou severa e geralmente se caracteriza por sintomas psicológicos, físicos e sociais.

Uma massagem aromaterápica breve seria o ideal para pessoas nessas condições. Difusores de ambiente também podem ajudar muito no controle da ansiedade (grapefruit ou limão pela manhã; gerânio, lavanda ou sálvia-esclaréia são boas opções para o final de tarde). Bons padrões de sono também podem ser estabelecidos com a utilização da lavanda.

Bergamota, lavanda, néroli e rosa são muito bons para a inquietação e, para pessoas irritadas e que tem dificuldade para dormir,uma boa escolha seriam os óleos de camomila, sálvia-esclaréia, lavanda, sândalo e ylang-ylang.
Para fadiga e letargia, bergamota, gerânio, melissa e rosa.

Abaixo, segue uma tabela com os óleos essenciais mais utilizados para cada sintoma. Fique atento às concentrações e contraindicações. Em caso de dúvidas, consulte um aromaterapeuta.
Sintoma
Óleos recomendados
Como usar
Artrite, articulações inchadas
Lavanda, junípero, manjerona, camomila, cipreste
Banho, compressas, massagem
Contusões
Lavanda*, Tea tree
Banho, compressas
Catarro
Cedro, eucalipto, olíbano, hortelã, lavanda, limão
Inalação, banho, compressa
Má circulação
Cipreste, junípero, limão, manjerona, laranja, alecrim*
Banho, massagem
Prisão de ventre
Manjerona*, ylang-ylang, hortelã, laranja, tangerina
Banho, massagem (friccione o abdômen no sentido horário com o óleo de massagem)
Convalescência
Sálvia-esclaréia, néroli
Banho, massagem, difusor
Tosse, resfriados, gripes
Cedro, mirto, eucalipto, manjerona, limão, lavanda, tea tree
Difusor, massagem (friccione a garganta e o peito com óleo de massagem)
 *óleo mais amplamente recomendado

Dicas para viver bem a terceira idade


Para viver bem essa fase tão bonita da vida, é importante manter uma alimentação adequada e fazer exercícios físicos regularmente. A visita a um médico geriatra é também muito importante.

Alimentação equilibrada:  No caso dos idosos, a atenção deve ser redobrada. Afinal, nessa fase ocorre uma redução da capacidade funcional do organismo. "A dieta do idoso deve ser bem colorida, rica em alimentos variados", explica a nutricionista Cínthia Perine, de São Paulo. Mais do que nunca, deve-se evitar o consumo de carboidratos refinados (açúcar, farinha de trigo), gorduras saturadas (bacon, carnes, frituras e cremes) e gorduras trans (chocolates, biscoitos, produtos industrializados). "Esses alimentos são considerados agressores para o corpo porque aumentam a incidência de doenças crônico-degenerativas, como diabetes, além de problemas como colesterol alto, doenças cardiovasculares, hipertensão e câncer, entre outros", afirma. Já a quantidade de calorias diárias varia de um indivíduo ao outro. "Mais do que as de calorias, o que importa é a qualidade do que está no cardápio", diz Cínthia Perine.

Exercícios físicos: Existem cada vez mais evidências científicas apontando o efeito benéfico de um estilo de vida ativo na manutenção da capacidade funcional e da autonomia física durante o processo de envelhecimento. Veja alguns dos benefícios da atividade física na terceira idade:
Melhora da velocidade de andar
Melhora do equilíbrio
Aumento do nível de atividade física espontânea
Melhora da auto-eficácia Contribuição na manutenção e/ou aumento da densidade óssea
Ajuda no controle do Diabetes, artrite, Doença cardíaca
Melhora da ingestão alimentar
Diminuição da depressão

Dessa maneira, com o fortalecimento da musculatura e a melhora do equilíbrio, diminui-se o risco de quedas e fraturas em pessoas idosas. Antes de praticar exercícios é importante consultar um profissional especializado e informá-lo sobre eventuais restrições médicas.

Fonte: http://aromasvitais.blogspot.com.br/2012/07/aromaterapia-para-idosos.html?view=flipcard
Referências
 
Livros:
BERWICK, Ann. Aromaterapia Holística. Rio de Janeiro: Nova Era, 2002.
CORAZZA, Sonia. Aromacologia: uma ciência de muitos cheiros. São Paulo: Senac, 2004
HOARE, Joanna. Guia Completo de Aromaterapia.São Paulo: pensamento, 2010.

Sites: